Recoleção de Advento – Natal de 2020

No passado sábado dia 12 dezembro a FMME promoveu uma Recoleção de Advento, orientada pelo seu Conselheiro Espiritual, o Senhor Padre Pedro Viva.

Estiveram presentes cerca de 20 pessoas, tendo a FMME o cuidado de manter as devidas distâncias e regras de segurança aconselhadas pela Direção Geral de Saúde.

Após a oração inicial, com a meditação da passagem de Isaías que fala sobre um rebento que brotará das raízes de Jessé e sobre o qual repousará o Espírito do Senhor, o Padre Pedro Viva fez entrar em reflexão aqueles que aderiram a esta proposta: Advento é esperança. Neste tempo tão difícil que vivemos, não podemos perder a esperança. E porquê? Porque temos razões para acreditar: um rebento vai nascer!

Os participantes iniciaram assim o dia, descobrindo a espiritualidade deste Tempo de Advento, que presentemente todos vivemos, convidando cada um a proclamar o Espírito Santo como preparação para segunda vinda de Jesus. Para nos ajudar neste caminho, nada melhor do que Nossa Senhora, a figura central deste tempo, a mulher de oração. Desde o nascimento de Jesus até à cruz, Maria faz um caminho de fé e com ela, os participantes foram convidados a colocarem-se lado a lado com ela. A exemplo de Maria, que não governa a sua vida, mas que mostra uma disponibilidade de coração, cada participante foi convidado a fazer esta oração: Senhor o que Tu quiseres, quando quiseres e como quiseres.

Depois, tomando uma nota da mensagem de Advento da Conferência Episcopal Portuguesa: “Deus vem e enche o nosso coração de “Bom-Dia”!”, o orientador levou cada participante a renovar a sua chama da esperança, mantendo-a firme e acesa, na certeza de que “Deus vem para o meio desta pandemia, pega na nossa mão, muda o nosso coração e envia-nos a mudar a situação”.

Assim, terminou a manhã com a celebração da Eucaristia, dando graças ao Senhor por tudo aquilo que se foi vivendo e avivando no coração.

A Diocese de Leiria Fátima vive o primeiro ano do biénio dedicado à Eucaristia. Com base na Carta Pastoral de D. António Marto e algumas passagens Bíblicas, o orientador levou os participantes a deixarem-se seduzir e olhar a Eucaristia como momento de oração por excelência, o momento do encontro com Aquele que já lá está e nos espera. Também deu a cada um, o desafio de deixar-se surpreender por Deus em cada Eucaristia e a não fazer dela um ritual habitual. Vamos à Missa e não a um Museu, disse o orientador e o nosso Deus é um Deus de surpresas, por isso deixemo-nos surpreender por Ele. Sem esquecermos que na eucaristia há um momento excecional de graça, que é a comunhão. Comungamos o Senhor e por isso, transformamo-nos n’Ele

Com esta tão bela meditação partiu-se para um momento de Adoração ao Santíssimo, com a possibilidade de se reconciliarem através do Sacramento da Confissão, para todos aqueles que sentiram vontade e necessidade de o fazer.

Foi assim, com a chama da Esperança acesa e com o peito inflamado com a Palavra do Senhor, que se terminou este dia de retiro, na expectativa que a todos ajude a viver melhor este Natal.