Tarde de Deserto na COF

A Fundação Maria Mãe da Esperança, realizou no dia 9 de maio, uma Tarde de Deserto na sua sede – Casa de Oração de Fátima, com a presença de 25 participantes. Sob o tema “Espalhar perfume de vida pascal”, orientados pelo Sr. Padre Jorge Guarda, os presentes a partir de textos da Sagrada Escritura, que nos falam de perfume, foram convidados a deixar-se envolver pelas imagens e sensações, inspirações e ideias, suscitadas pela sua leitura e meditação. Depois em resposta, a esta Palavra lida e meditada, puderam deixar brotar do seu coração a oração espontânea: de alegria louvor, cântico, simples pensamento ou silêncio meditativo…Esta Tarde de Deserto, concluiu-se com a Eucaristia, celebração viva e atual do mistério da morte e ressurreição de Jesus.

 

 

25º Aniversário da FMME – 11 de fevereiro

 

A Fundação Maria Mãe da Esperança está de parabéns, por mais um aniversário, que não é apenas mais um, mas é especial porque comemora vinte e cinco anos de existência!

Nesta data recordamos o seu fundador, Sr. Padre Manuel dos Santos José, que sentindo a urgência de levar o “Evangelho a todos os recantos do mundo”, com mais vinte e nove fundadores, construíram e fizeram crescer esta obra de Deus.

É com saudade que recordamos os que já partiram, pedindo-lhes a sua intercessão por esta obra, e com gratidão dirigimo-nos a todos os que hoje com o seu trabalho e generosidade sustentam e dão vida à FMME.

Neste momento simbólico da vida da Fundação, faz sentido recordar o trajeto que a conduziu áquilo que é hoje, para compreender o presente e perspetivar o seu futuro. Na génese da sua criação esteve a constatação do Padre Manuel, da necessidade de crescimento espiritual por parte dos catequistas, enquanto testemunhas e exemplo de Fé. Como resposta a esta lacuna, iniciou a organização de retiros, que pelos seus frutos, foram agregando os seus participantes e impulsionaram depois a constituição da Fundação Maria Mãe da Esperança.

Não foi um início fácil porque faltava tudo, mas com o contributo de muitos amigos, a obra foi crescendo e chegou ao presente com uma dinâmica alargada de atividades, entra as quais se destaca a Escola de Oração com os seus Grupos de Oração Interior, sempre orientadas no caminho da Nova Evangelização, com o objetivo de promover e proporcionar um encontro com Jesus Cristo.

Com a presente pandemia e consequentes restrições, a realização das várias atividades, trouxeram novos desafios, que gradualmente se vão tentando superar, recorrendo às novas tecnologias, para reunir à distância, e adaptando a realização das atividades presenciais, quando possível, sempre de acordo com as orientações sanitárias em vigor.

No futuro próximo, vamos continuar este percurso de adesão às novas tecnologias, adaptando as nossas atividades a esta nova realidade, e sonhando que a resposta a este desafio possa dar um resultado positivo, pela possibilidade de chegar a grupos etários habitualmente recetivos e utilizadores destes meios de comunicação.

Certos de que esta é uma obra que Deus acolhe e sustenta, vamos continuar a fazer o que estiver ao nosso alcance para que ela cumpra os objetivos para a qual foi criada e seja nestes tempos de algum desânimo, reflexo da Luz Divina e o rosto D´Aquele que é o caminho, a verdade e a vida.

Que a FMME sempre nos una, apoiados pelo texto bíblico que inspirou a sua fundação: “Todos, unânimes, perseveravam na oração com MARIA, a Mãe de Jesus.” At 1,14

Para todos os nossos amigos, Fundadores e Equiparados, membros dos órgãos sociais, Responsáveis e membros dos Serviços e ao nosso Conselheiro Espiritual, senhor Padre Pedro Viva, votos de muitos Parabéns.

Sessão da Escola de Oração da COF

Como programado no seu Calendário de Atividades, a Escola de Oração da Fundação Maria Mãe da Esperança, realizou no dia 30 de janeiro, a sua 42ª sessão, orientada pelo Sr. Padre Pedro Viva, Conselheiro Espiritual da FMME.

Devido às restrições de reunião e circulação impostas pelo Estado de Emergência, no âmbito da pandemia de Covid19, esta sessão foi organizada em moldes diferentes do habitual, de forma não presencial e com o recurso a meios online de reunião. Participaram 25 Animadores de Grupos de Oração Interior, alguns dos quais se iniciaram nesta sessão como utilizadores destas ferramentas de encontro eletrónico à distância.

Os textos meditados, na tradição da Lectio Divina, a rezar nos Grupos de Oração nos meses de fevereiro e março, foram respetivamente Mt 6, 1-8 (Ser discreto nas obras e orações) e Jo 2, 13-25 (Expulsão dos vendedores e animais do Templo).

Com o desejo que vos ajude à melhor vivência da Fé nesta quaresma, partilhamos o desafio que é dado aos elementos dos Grupos de Oração Interior, no mês de fevereiro, a partir da etapa Viver a Palavra”, da Lectio Divina do respetivo texto:

Para viver bem esta Quaresma, assumir o compromisso de guardar um tempo mais longo e mais intenso para a oração. A ser um sinal vivo da presença do Senhor. Ser mais generoso e fazer uma sincera renúncia quaresmal. Nestes tempos delicados e dolorosos de confinamento e isolamento, prestemos uma maior atenção e cuidado pelos irmãos mais necessitados de bens, mas também e em especial àqueles que estão sozinhos em suas casas. Um telefonema ou uma mensagem amiga são um excelente reconforto.  

Recoleção de Advento – Natal de 2020

No passado sábado dia 12 dezembro a FMME promoveu uma Recoleção de Advento, orientada pelo seu Conselheiro Espiritual, o Senhor Padre Pedro Viva.

Estiveram presentes cerca de 20 pessoas, tendo a FMME o cuidado de manter as devidas distâncias e regras de segurança aconselhadas pela Direção Geral de Saúde.

Após a oração inicial, com a meditação da passagem de Isaías que fala sobre um rebento que brotará das raízes de Jessé e sobre o qual repousará o Espírito do Senhor, o Padre Pedro Viva fez entrar em reflexão aqueles que aderiram a esta proposta: Advento é esperança. Neste tempo tão difícil que vivemos, não podemos perder a esperança. E porquê? Porque temos razões para acreditar: um rebento vai nascer!

Os participantes iniciaram assim o dia, descobrindo a espiritualidade deste Tempo de Advento, que presentemente todos vivemos, convidando cada um a proclamar o Espírito Santo como preparação para segunda vinda de Jesus. Para nos ajudar neste caminho, nada melhor do que Nossa Senhora, a figura central deste tempo, a mulher de oração. Desde o nascimento de Jesus até à cruz, Maria faz um caminho de fé e com ela, os participantes foram convidados a colocarem-se lado a lado com ela. A exemplo de Maria, que não governa a sua vida, mas que mostra uma disponibilidade de coração, cada participante foi convidado a fazer esta oração: Senhor o que Tu quiseres, quando quiseres e como quiseres.

Depois, tomando uma nota da mensagem de Advento da Conferência Episcopal Portuguesa: “Deus vem e enche o nosso coração de “Bom-Dia”!”, o orientador levou cada participante a renovar a sua chama da esperança, mantendo-a firme e acesa, na certeza de que “Deus vem para o meio desta pandemia, pega na nossa mão, muda o nosso coração e envia-nos a mudar a situação”.

Assim, terminou a manhã com a celebração da Eucaristia, dando graças ao Senhor por tudo aquilo que se foi vivendo e avivando no coração.

A Diocese de Leiria Fátima vive o primeiro ano do biénio dedicado à Eucaristia. Com base na Carta Pastoral de D. António Marto e algumas passagens Bíblicas, o orientador levou os participantes a deixarem-se seduzir e olhar a Eucaristia como momento de oração por excelência, o momento do encontro com Aquele que já lá está e nos espera. Também deu a cada um, o desafio de deixar-se surpreender por Deus em cada Eucaristia e a não fazer dela um ritual habitual. Vamos à Missa e não a um Museu, disse o orientador e o nosso Deus é um Deus de surpresas, por isso deixemo-nos surpreender por Ele. Sem esquecermos que na eucaristia há um momento excecional de graça, que é a comunhão. Comungamos o Senhor e por isso, transformamo-nos n’Ele

Com esta tão bela meditação partiu-se para um momento de Adoração ao Santíssimo, com a possibilidade de se reconciliarem através do Sacramento da Confissão, para todos aqueles que sentiram vontade e necessidade de o fazer.

Foi assim, com a chama da Esperança acesa e com o peito inflamado com a Palavra do Senhor, que se terminou este dia de retiro, na expectativa que a todos ajude a viver melhor este Natal.